ECOVAL é um projeto financiado pelo Interreg SUDOE, programa este direcionado para o desenvolvimento do Sudoeste Europeu. O projeto foca-se nos biorresíduos e nas lamas provenientes das ETAR. A Porto Ambiente, em parceria com as Águas do Tejo Atlântico (AdTA), a Fundação Centro Galego de Investigação da Água (CETAQUA), Universidade de Santiago de Compostela (USC), Fundação Património Natural de Castela e Leão (FPNCYL), Fundação Empresa Universidade Galega (FEUGA), Instituto Nacional de Ciências Aplicadas de Toulouse (INSA) e a NEREUS – Sistemas de Reciclagem Sustentável, formam a equipa de trabalho que propõe uma nova abordagem à gestão dos biorresíduos com menor impacto ambiental, de modo a promover a economia circular, através da conversão dos resíduos em recursos.


A criação de uma nova cadeia de valor no que diz respeito aos biorresíduos e lamas é o principal objetivo do projeto. Para tal, serão desenvolvidas uma série de ações que vão desde a recolha dos biorresíduos e lamas até à sua comercialização sob a forma de produto final – os ácidos gordos voláteis, muito utilizados pelas indústrias de lubrificantes ou agroquímica.


No âmbito deste projeto e em colaboração com o INSA (Toulouse), a cidade do Porto foi escolhida para ser um laboratório vivo, à escala piloto, de um modelo para a otimização da gestão de resíduos numa perspetiva de economia circular.


A Porto Ambiente, como entidade responsável pela recolha de biorresíduos na Cidade do Porto, terá também como papel liderar a atividade que respeita à criação de uma base de dados sobre os atuais sistemas de gestão de biorresíduos no espaço SUDOE, por forma a criar um cenário realista e atual no que diz respeito a este tipo de sistemas, promovendo também o benchmarketing entre as cidades. A identificação das barreiras legais e a criação de uma proposta de alterações legislativas para a implementação do modelo de valorização de biorresíduos proposto no projeto ECOVAL, são também atividades a desenvolver pela Porto Ambiente.



O projeto tem a duração de 3 anos e teve o seu início em novembro de 2020. O financiamento global do projeto é de 1.10M €.